Publicidade
Publicidade

01/08/2022 22:11h - Afeganistão - Mundo

Presidente Biden confirma morte de sucessor de Bin Laden na Al Qaeda

Ayman al-Zawahiri (dir.) e Osama bin Laden em novembro de 2001, poucos meses depois do ataque de 11 de Setembro. Ataque a drone conduzido pelos EUA no final de semana matou Ayman al-Zawahiri, líder da organização desde 2001. Foto: Hamid Mir

Publicidade
Publicidade
A Casa Branca confirmou nesta 2ª feira (1º.ago.2022) ter matado o líder do grupo fundamentalista islâmico Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri. A operação foi conduzida em um ataque à drone em Cabul, no Afeganistão, segundo o governo norte-americano. “Agora, a justiça foi feita e esse líder terrorista não existe mais”, disse o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em pronunciamento em cadeia nacional. “Não importa quanto tempo leve, não importa onde você se esconda, se você for uma ameaça ao nosso povo, os Estados Unidos vão te encontrar e te eliminar”, afirmou. Zawahiri chefiava a organização desde a morte de Osama bin Laden, em maio de 2011. Foi um dos principais arquitetos dos atentados de 11 de Setembro de 2001. Nasceu em Gizé, no Egito, e tinha recém-completado 71 anos. De acordo com Biden, a missão foi “cuidadosamente planejada” e teve sua autorização pessoal para prosseguir há uma semana depois de ser informado que as condições para o ataque eram “ótimas“. “Dei a aprovação final para ir atrás dele e a missão foi um sucesso“, disse Biden. O ataque foi realizado no final de semana pela CIA e não deixou civis feridos. Segundo o New York Times, foi feito com 2 mísseis RX9, modelo projetado para reduzir danos colaterais na área de impacto. Médico-cirurgião de formação, ele se aliou a Bin Laden em 1998 ao anunciar a fusão da Jihad Islâmica Egípcia, grupo fundamentalista que comandava, com a Al Qaeda. Antes, já havia participado do assassinato do ex-presidente egípcio Anwar Sadat, em 1981. O Departamento de Estado dos EUA oferecia US$ 25 milhões (R$ 129 milhões na cotação atual) por informações que levassem ao paradeiro de Zawahiri.
Publicidade

Fonte: Poder360

Publicidade

Notícias relacionadas