Rondônia, 19 de setembro de 2020

NOTÍCIAS

16/09/2020 08:43

Estados Unidos

Vacina contra covid-19 pode sair em três ou quatro semanas nos EUA

Presidente dos EUA, Donald Trump 09/09/2020 - Jonathan Ernst/Reuters

Vacina contra covid-19 pode sair em três ou quatro semanas nos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira, 15, que uma vacina contra o coronavírus "pode sair daqui a três ou quatro semanas", antes das eleições presidenciais no país, em 3 de novembro. Essas previsões já haviam sido feitas por autoridades de saúde pública dos EUA e laboratórios no início deste mês.

Trump, convidado para falar com eleitores em um evento realizado pela ABC News na Filadélfia, Pensilvânia, um dos Estados-chave desta eleição, defendeu como seu governo lidou com a crise do coronavírus, assegurando que uma vacina pode estar pronta para distribuição em breve.

"Estamos muito perto de ter uma vacina", disse ele. "Se você quer saber a verdade, a administração anterior (democrata) levaria talvez anos para ter uma vacina por causa do FDA (agência reguladora de alimentos e medicamentos dos EUA) e todas as aprovações. Mas nós estamos dentro de semanas de obtê-la, você sabe, pode levar três, quatro semanas."

Ainda durante a entrevista, Trump negou durante que tenha minimizado a ameaça do coronavírus no início deste ano, embora haja uma gravação de áudio dele afirmando que fez exatamente isso. Trump lançou dúvidas sobre as conclusões científicas amplamente aceitas de sua própria administração, recomendando fortemente o uso de máscaras e parecia repelir a sugestão de que os EUA têm desigualdades raciais. "Bem, espero que não haja um problema racial", disse quando questionado sobre sua retórica de campanha que parece ignorar as injustiças históricas realizadas contra os negros americanos.

Face a face com os eleitores comuns pela primeira vez em meses, Trump estava na defensiva, mas resistiu à agitação enquanto era pressionado sobre a resposta de seu governo à pandemia de covid-19 e por que ele não promove mais agressivamente o uso de máscaras para reduzir a propagação da doença. "Há pessoas que não acham que as máscaras são boas", disse Trump, embora seus próprios Centros de Controle e Prevenção de Doenças recomendem fortemente seu uso.

O evento foi uma espécie de aquecimento antes de Trump enfrentar o indicado democrata Joe Biden no primeiro debate presidencial em 29. Gravado no National Constitution Center na Filadélfia, Trump respondia a perguntas de uma audiência de apenas 21 eleitores para cumprir as regulamentações estaduais e locais do coronavírus.

O presidente americano tentou se opor à sua admissão ao jornalista Bob Woodward de que ele estava deliberadamente "minimizando" ao discutir a ameaça do covid-19 aos americanos no início deste ano.

Apesar do áudio de seus comentários sendo divulgado, Trump disse: "Sim, bem, eu não subestimei isso. Na verdade, de muitas maneiras, eu a superei, em termos de ação". "Minha ação foi muito forte", acrescentou. "Eu não quero que as pessoas entrem em pânico".

Trump também insistiu que não estava errado quando elogiou a resposta da China ao vírus em janeiro e fevereiro, dizendo que confiava em Xi Jinping, o líder chinês. "Ele me disse que estava sob controle, que tudo estava e não era verdade", disse. Também sugeriu que o vírus desapareceria sem uma vacina, alegando que a nação desenvolveria uma imunidade coletiva com o tempo, mas ele não mencionou as vidas que seriam perdidas ao longo do caminho. "Vai ser desenvolvido pelo rebanho, e isso vai acontecer. Tudo isso vai acontecer."

As perguntas dos eleitores foram diretas e pungentes: um homem diabético disse que sentiu que tinha sido jogado "debaixo do ônibus" pela maneira de lidar com a pandemia; uma mulher negra com uma doença que a deixava sem seguro até que a lei de saúde de Obama aparecesse, preocupada com a possibilidade de perder a cobertura novamente; um pastor negro que questionou o lema da campanha de Trump para "Make America Great Again". "Quando a América foi ótima para os afro-americanos no gueto da América?" Perguntou o pastor. Questionado sobre o que estava fazendo para enfrentar os protestos contra a injustiça racial, Trump lamentou a "falta de respeito" e a ausência de "retribuição" para aqueles que entram em confronto ou realizam ataques contra policiais.

O presidente americando Trump tem sido extraordinariamente silencioso em seus preparativos para o primeiro debate, que acontecerá em Cleveland. Na terça-feira, 15, ele disse à Fox News que acredita que seu trabalho diurno é a melhor prática para seus três confrontos programados com Biden. "Bem, eu meio que me preparo todos os dias apenas fazendo o que estou fazendo", falou0.

Ele observou que esteve na Califórnia na segunda-feira, 14, e já esteve em outros estados antes disso para deixar claro que está saindo e fazendo mais coisas do que Biden.

Na entrevista da Fox, Trump reduziu as expectativas para o desempenho de seu oponente democrata, julgando Biden "um desastre" e "grosseiramente incompetente" nos debates primários. Ele avaliou Biden como "OK" e "ótimo" em seu debate final um-a-um com Bernie Sanders antes de garantir a indicação.

A retórica de Trump sobre Biden marcou um afastamento dos esforços tradicionais dos candidatos para falar sobre a preparação de seus rivais para debates na televisão, na esperança de estabelecer um padrão inatingivelmente alto para seu desempenho. O segundo dos três debates programados, marcado para acontecer em Miami em 15 de outubro, terá um estilo semelhante de "reunião municipal".

Biden terá sua própria oportunidade de aprimorar suas habilidades respondendo a perguntas de eleitores na quinta-feira, quando participar de uma sessão da prefeitura transmitida pela CNN. A visita à Pensilvânia é a segunda de Trump ao estado de campo de batalha na semana passada, depois de participar de um dia de setembro 11 evento memorial em Shanksville na sexta-feira.


Fonte:Estadão





Últimas notícias

Carregando...

Notícias relacionadas

Carregando...
Carregando...