Rondônia, 18 de setembro de 2020

NOTÍCIAS

31/07/2020 07:13

Porto Velho

Pandemia do coronavírus traz de volta debate sobre trabalho de médicos formados no exterior

Opinião de Primeira por Sérgio Pires

Pandemia do coronavírus traz de volta debate sobre trabalho de médicos formados no exterior

O Conselho Federal de Medicina e os sindicatos médicos brasileiros não querem nem ouvir falar no assunto, mas ele volta à pauta, principalmente nesse momento em que o coronavírus ainda ataca os brasileiros de forma violenta. Trata-se da tentativa de autorização especial, ao menos enquanto durar a pandemia, que médicos formados no interior, que não tenham feito o Revalida, possam, excepcionalmente, trabalhar no país. Em Rondônia há pelo menos dois defensores intransigentes da ideia e lutam para o reconhecimento do diploma de outros países, mesmo sem o Revalida, para todos os médicos brasileiros formados no exterior. Os deputados federais Lucio Mosquini e Jaqueline Cassol já se reuniram com centenas de novos médicos, formados principalmente nas Universidades da Bolívia e batalham para que a autorização seja dada. No Senado, projeto relatado pelo senador rondoniense Marcos Rogério e que ainda está tramitando, autoriza médicos nessa condição a atuarem no país por três anos, antes de fazer o Revalida. À voz deles soma-se, agora, a do deputado estadual Alex Redano, representante de Ariquemes e que será o próximo presidente do parlamento estadual.

Num pronunciamento feito essa semana no Parlamento rondoniense, Redano propôs a criação de uma comissão para discutir a situação dos médicos formados no exterior. O parlamentar, representante do Republicanos na ALE, disse ser esse “um momento de união para ajudar a população, pois no Estado há médicos com excelente formação, que não podem trabalhar porque o Revalida não está sendo realizado”. O deputado de Republicanos de Ariquemes disse ainda que ““não estamos desqualificando quem está trabalhando regularmente. Esses são verdadeiros heróis, ainda mais nesse momento de Pandemia. Mas agora, temos que usar toda nossa força, incluindo os médicos formados no exterior. São cerca de 15 mil em todo o Brasil”, lembrou, acrescentando que esse grande número de profissionais seria de grande utilidade no combate à doença que nos assola. O pronunciamento de Redano foi feito no mesmo dia em que o governo recebeu um novo hospital para Porto Velho, o antigo Cero, entregue pelo empresariado, mas que não funciona exatamente por falta de pessoal. E principalmente faltam médicos, já que a Sesau fez 29 chamadas de pessoal, mas mesmo assim não tem profissionais suficientes. Acrescente-se também que os salários pagos (em torno de 9 mil reais por 40 horas semanais), não atraem tantos médicos quanto precisamos.

MIREM-SE NO EXEMPLO DE SOBRINHO!

Virou rotina! Dia sim, dia não, tem alguma operação policial também aqui pelo Estado. No início da semana, já houve uma, da polícia civil, com suspeitas de direcionamento de licitações para compra de materiais para a Polícia Militar. Nesta quinta, a ação foi da Polícia Federal, que investiga irregularidades que teriam ocorrido na compra de testes rápidos para a Covid 19, adquiridos pela Secretaria de Saúde, a Sesau. Em ambos, grande alarde, com nomes de pessoas suspeitas de envolvimento divulgadas amplamente pela mídia. Claro que não se pode criticar ações que visam combater a corrupção, desvios, malfeitos com o dinheiro público. Mas há que se ter muito cuidado ao jogar na lama nomes de pessoas que, lá na frente, podem ser consideradas inocentes. No caso dos testes de Covid 19, a operação da PF foi uma sequência de outras que estão sendo feitas, sobre suspeitas de irregularidades neste momento de pandemia. Embora os responsáveis pela operação não tenham divulgado nomes em suas informações oficiais, cinco minutos depois já havia, em parte da mídia, a relação dos suspeitos, Como as investigações ainda estão começando, a prudência orienta que tenhamos cuidado, para não jogar no lixo biografias inocentes. O caso do ex prefeito Roberto Sobrinho, absolvido oito anos depois em duas operações cheias de estardalhaço, que destruíram sua vida pessoal e política, é o melhor exemplo disso. Combate ao crime e a corrupção sim. Sempre. Mas que se saiba separar os culpados dos inocentes.

SÃO 864 ÓBITOS. ONZE CIDADES NÃO REGISTRARAM MORTES

Não está fácil o enfrentamento ao coronavírus, não só em Porto Velho, mas também em todo o Estado. A quinta-feira chegou com números preocupantes. Em 24 horas foram mais 773 casos e dez mortes. Até agora, desde o primeiro óbito registrado no início de maio, já tivemos 864 pessoas mortas pela doença. Desse total, 554 vítimas eram moradores da Capital. Nova Brasilândia, Colorado do Oeste, Theobroma, Santa Luzia, Tio Crespo, Governador Jorge Teixeira, Urupá, Castanheiras, Teixeirópolis e Primavera de Rondônia, não registraram nenhuma morte até agora. Nos outros 41 municípios rondonienses, houve registro de óbitos. Enquanto isso, em Ji-Paraná, segundo divulgou nas redes sociais o conhecido médico Edson Aletti, a doença atingiu seu pico. Ele comenta que no Hospital Cândido Rondon, as UTIs estão todas ocupadas e que o número de casos continua crescendo. Enquanto isso, cresce o número de recuperados (29.286) e de exames realizados: 123.129 testes foram computados em toda a Rondônia.

MAIS UMA MALDADE CONTRA A ASSEMBLEIA

A Assembleia Legislativa do Estado nunca esteve tão presente e tão ativa na vida rondoniense, como está agora, ainda mais nesses tempos de pandemia. Pode-se até criticar um ou outro ato do Poder; um ou outro parlamentar, mas o que é injusto não se sublinhar o quanto a Legislativo do Estado melhorou em qualidade e participação direta na vida da população. Há exemplos sem fim, mas dois deles merecem destaque: os 50 milhões de reais economizados no ano passado, que estão sendo repassados às comunidades e a recente ação de aluguel de 60 leitos no Hospital do Câncer, dez deles de UTI, ao custo de 10 milhões de reais/mês, bancados com recursos próprios, conseguidos graças à economia feito pelo conjunto de deputados, todos apoiando decisões do deputado Laerte Gomes, que vem realizando um trabalho exemplar no comando da Casa. De vez em quando, mesmo com esse momento extremamente positivo do Parlamento, surgem informações tentando atingir a imagem do Poder e de seus membros. A última delas, oriundas, leu-se, do próprio Ministério Público, não se sabe ainda baseado em que, foram divulgadas em parte da mídia e na irresponsabilidade das redes sociais. A informação falsa dizia que cada parlamentar rondoniense estava recebendo 4 mil reais de Auxílio-Saúde. Todas essas afirmações não são verdadeiras, segundo nota oficial da ALE e, aqueles que a reproduzem, por maldade ou acreditando que possa ser verdade, estão cometendo uma injustiça.

PARLAMENTO NEGA EXISTÊNCIA DO AUXÍLIO-SAÚDE

Em função desse destempero, dessa agressividade incrível, de ataques vindos geralmente das redes sociais, a Assembleia emitiu nota sobre o assunto, com o seguinte teor: “a Assembleia Legislativa, através da Mesa Diretora, vem informar a população de Rondônia que as notícias de que deputados estaduais recebem R$ 4 mil de auxílio-saúde são falsas. Nenhum deputado sequer recebe esse auxílio. Além do mais, ao contrário do que foi noticiado, não foi reembolsado nenhum valor a deputados em relação qualquer unidade hospitalar referente à doença Covid-19. Basta verificar o Portal da Transparência da Assembleia Legislativa para comprovar esses esclarecimentos”. A história maldosa, sem qualquer prova, começou quando, houve divulgação de textos dizendo que a Assembleia teria bancado o tratamento do deputado Jean Oliveira, transferido para São Paulo, em estado grave e que está se recuperando. Amigos do parlamentar dizem que todo o tratamento é bancado pelo próprio Jean, sua família e seu plano de saúde. Infelizmente, cada vez fica mais notório: nas redes sociais, mesmo em tempos de pandemia, a maldade não seleciona seus alvos. Ela agride a quem estiver pela frente. Lamentável.

A HORA É DE AJUDAR QUEM ESTÁ DESESPERADO

Nunca a assistência social dos governos foi tão importante quanto agora, quanto o número de famílias e de pessoas precisa demais do Poder Público para poder sobreviver, até que se atravessa esse tsunami da Covid 19. Muitas ações têm sido realizadas nos três níveis de governo, embora elas nunca sejam suficientes para atender a tantos milhões de necessitados, uma multidão que a cada dia se torna maior. Em Rondônia, até por Justiça, há que se destacar o trabalho que vem sendo realizado pela secretária de Ação Social, Luana Rocha, também primeira dama do Estado. Ela tem se desdobrado para comandar ações importantes em diferentes setores, desde a distribuição de milhares de máscaras de proteção individual, em parceria com a Emater, até a entrega de milhares de cestas básicas para famílias carentes do Baixo Madeira, fazendo parceria com bombeiros. Os sem teto, os que não têm renda, os que estão se sentindo abandonados nesse momento – e são milhares – esses têm tido, de parte da Secretaria de Ação Social do governo estadual, um apoio que não se pode ignorar. Mesmo com recursos ainda escassos e as dificuldades que o momento está impondo a todos que atuam no serviço público, a primeira dama rondoniense tem se desdobrado para ajudar a todos que pode. Falta muito, claro, mas seria injusto não se destacar o quanto Luana Rocha e sua equipe têm dado duro para cumprir bem sua missão.

BOLSONARO E A MULTIDÃO

Os adversários do presidente Bolsonaro vão ter dificuldades de dormir nesta noite. Enquanto a grande mídia alardeia que a popularidade dele está em constante queda (incluindo-se aí pesquisas fajutas, feitas por instituto antes considerados sérios), a realidade não se adequa a todo esse quadro negativo. Depois de vários dias sem poder sair do Palácio, porque estava afetado pela Covid 19 (é a primeira dama, Michelle, agora, quem está com a doença!), Bolsonaro foi ao Piauí, entregar obras federais. Para desespero dos seus muitos opositores, o Presidente foi recebido por enorme multidão, que o chamava de mito e o carregou nos braços, como ocorria em praticamente todos os aeroportos do país, onde ele chegava, durante a corrida presidencial. Parte da mídia ignorou, claro, essa ovação recebida e preferiu criticar o Presidente por ter tirado a máscara de proteção no meio do povo. Ao que parece, para derrubar Bolsonaro, a essas alturas do seu governo, só mesmo no tapetão. Porque se depender do povão...

O TRÁFICO SÓ AUMENTA E O DENARC AGE

O tráfico de drogas continua crescendo, de forma assustadora. Ele alimenta cada vez mais viciados, que para conseguir suas doses diárias, praticam inicialmente pequenos crimes, que vão alimentando com o passar do tempo. A violência é realimentada todos os dias, por causa das drogas, que abundam na maioria das cidades brasileiras. Porto Velho, claro, não é diferente; De vez em quando, a polícia pega um desses traficantes. Como uma importante ação realizada nesta quarta, pela equipe do Denarc, que conseguiu colocar a mão num desses responsáveis pela distribuição de drogas na Capital. Além de mais de 100 quilos de maconha prensada, os policiais conseguiram apreender três armas, uma delas uma espingarda. O preso, Fábio Almeida, conhecido como FB, é um bandido perigoso, que está condenado a mais de 100 anos de cadeia, incluindo-se um assassinato, entre seus muitos crimes. O surpreendente é que o homem, que andava normalmente para lá e para cá, inclusive levando e entregando drogas, estava foragido há mais de 15 anos. Parece uma história inventada, mas, infelizmente, é a mais triste verdade.

PERGUNTINHA

Você acha correta ou discorda da decisão do governo federal em lançar uma cédula de 200 reais, com a imagem do lobo guará, a partir do início de setembro?


Fonte:Sérgio Pires





Últimas notícias

Carregando...

Notícias relacionadas

Carregando...
Carregando...