Rondônia, 27 de outubro de 2020

NOTÍCIAS

18/08/2020 12:16

Porto Velho

Tirar Dallagnol do caminho pode ser o começo do fim da Lava Jato

Opinião de Primeira por Sérgio Pires

Tirar Dallagnol do caminho pode ser o começo do fim da Lava Jato

A terça-feira será um dia tenso, preocupante, cheio de dúvidas sobre se somos ou não um país sério; se estamos nas mãos da verdadeira Justiça ou de algum tipo de arremedo dela, que poderá fazer retornar os destinos do nosso Brasil ao pior. Partidos de esquerda, apoiados por parlamentares que temem, senão pelo seu passado, pelo seu futuro, querem ver a Operação Lava Jato desmoralizada, para que o poderoso chefão possa, lá na frente, dizer que as denúncias contra ele foram forjadas. E que ele, um ex presidente da República que, segundo a Lava Jato e duas instâncias do Judiciário, comandou uma quadrilha no governo, teria sido apenas uma vítima de um grupo de promotores e do juiz Sérgio Moro. Pior de tudo é que a decisão, que, ao final, vai dizer se a Lava Jato corre risco real ou não (com seus mais de 400 processos ainda em andamento) depende do Conselho Nacional do MP, um órgão que hoje, junto com outras instituições, como o STF, não tem a confiança de parte dos brasileiros, pelo aparelhamento de que também possa ter sido submetido. Em resumo, o plenário do Conselho, deve julgar a ação contra o procurador da República e coordenador da Operação Lava-Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol. O texto, elaborado pela senadora Kátia Abreu, do PP (ex emedebista, grande aliada do PT, lembremo-nos), defende o afastamento de Dallagnol da força-tarefa “a bem do interesse público” e a transferência dele para outra unidade do Ministério Público Federal.

É bom lembrar que o presidente do Conselho que vai julgar Dallagnol é o procurador-geral da República, Augusto Aras, que nos últimos meses entrou em conflito com a força-tarefa e, principalmente, com o próprio Procurador, que é o réu nesse caso absurdo. E que Dallagnoll amealhou inimigos poderosos, ao comandar, junto com alguns de seus colegas – com o aval posterior da Justiça, via Sérgio Morro e via desembargadores que condenaram o réu Lula em duas instâncias – a operação que começou uma verdadeira limpeza na podridão de corruptos sem fim, que ainda assolam nosso Brasil. O próprio Moro e os colegas procuradores, sabem muito bem que, sem Dallagnoll, a Lava Jato corre o risco de perder sua força. Parece, infelizmente, que o atual governo e os dois últimos têm em comum a tentativa de afastar Dallagnoll, da operação que já colocou a mão em dezenas e dezenas de corruptos e certamente pegará muitos outros, se continuar atuando. A Lava Jato foi uma das melhores coisas que já aconteceu nesse país da roubalheira institucionalizada do dinheiro público. Claro que se tirarem o grande nome dela, das investigações, será uma forma de esvaziá-la, mesmo sob os imensos argumentos que virão do lado dos que querem se livrar do jovem e competente Procurador. Tirar da Lava Jato seu principal nome, é um recado de que correremos o risco de voltar ao que éramos: um país loteado por corruptos impunes.

QUINTA: MDB ESCOLHE SEU CANDIDATO

A quinta-feira será dia decisivo para os nomes que pretendem concorrer à Prefeitura de Porto Velho. Será o dia em que o MDB porto velhense vai escolher seu candidato para a disputa de novembro. Dois nomes principais, estão postados para disputarem a cadeira de Hildon Chaves: o desembargador aposentado e homem do agronegócio, Walter Waltenberg e o ex secretário de saúde tanto da Prefeitura da Capital quanto do Estado, considerado um dos mais competentes que já passaram pelos cargos, Williiames Pimentel. Nessa segunda, o dr. Waltenberg, que avisou que só aceitaria a missão caso seu nome fosse escolhido por unanimidade pelo Diretório emedebista, postou um texto no twiter, afirmando que o partido está unido. “O MDB de Porto Velho vai apresentar, na próxima quinta-feira, seu candidato único a ser aprovado na convenção de setembro. Ao contrário de muitas apostas, o partido segue unido rumo ao Prédio do Relógio”. O grupo do ex governador Confúcio Moura e do deputado federal Lúcio Mosquini, hoje também coordenador da bancada federal, têm grande poder dentro do diretório. Nos bastidores, o que se ouve é que Pimentel tem a maioria dos convencionais. O próprio Pimentel, contudo, está arredio a entrevistas e pouco tem falado sobre o assunto. Mas, se não houver surpresa de última hora, será ele mesmo o nome do MDB. Na quinta, daqui a dois dias, saberemos...

DUAS SEMANAS SEM ÁGUA: CAERD TENTA RESOLVER

Rede interrompida. Canalização desaparecida. Roubo de fiação, principalmente dos locais de captação de água. São situações encontradas, na rede que deveria existir e não existe, que deixa os técnicos, funcionários e dirigentes da Caerd de cabelos em pé. No final das contas, quem sofre é a população, que fica desabastecida num período em que o calor em Porto Velho tem beirado os 40 graus em alguns momentos e que a pandemia do coronavírus exige muitos cuidados com a higiene pessoal, onde a água é vital. O engenheiro Wagner Zacarini, diretor técnico da Caerd e um dos seus mais experientes e dedicados dirigentes da empresa, lamentou que a situação esteja tão ruim, principalmente em algumas regiões da cidade, “onde temos encontrado situações da rede que, se a gente contar, vão achar que estamos falando de coisas vindas da nossa imaginação”, comenta. Ele destaca, contudo, que a estatal está fazendo todos os esforços para manter o abastecimento de água e corrigir as situações “inacreditáveis”, que têm sido descobertas. Os moradores do bairro Aponiã, na rua Clara Nunes e proximidades, por exemplo, estão com suas torneira secas há mais de duas semanas. Equipes da Caerd estão em regiões próximas, tentando descobrir ainda onde está o problema, que impede que a água chegue às casas. Wagner garante que o trabalho não para e que “a Caerd faz de tudo para resolver, o mais breve possível, esse drama dos moradores”.

NÚMEROS DA COVID NÃO PARARAM DE CRESCER

Quarta-feira da semana passada, tivemos 15 óbitos registrados, alguns deles de dias anteriores, que ainda não tinham sido computados. O total de mortos batia nos 981. Eram, no total, 46.061 afetados pela doença; 38.312 recuperados e 396 internados. Dois dias depois, na sexta, o boletim da Sesau acrescia mais 20 os que perderam a vida, passamos dos mil óbitos (1.001); tínhamos 47.288 casos e 39.366 recuperados. O número de internados caíra para 374, ou seja, 22 pessoas a menos nos leitos comuns e de UTI. No final de semana, os dois boletins da Sesau, ainda bastante desatualizados, na medida em que o volume de informações que chegamos, no sábado e no domingo, são apenas enganadores, registraram poucos casos de mortes e de contaminados. Já nessa segunda, onde ainda muitos dos números não são os que representam a realidade, tivemos mais quatro mortes e 395 casos novos registros. Na noite da segunda-feira, tínhamos, portanto, 1.017 óbitos registrados; 48.232 casos; 40.184 recuperados e 381 pessoas internadas. Ou, seja, em seis dias, o total de mortes chegou a 86, saltando de 931 para 1.017, um número ainda assustador. O quadro continua o mesmo da semana passada: a Covid ataca com menos fúria em Porto Velho, mas está muito forte, ainda, em várias cidades do interior.

AS CORONAFEST E AS OFENSAS CONTRA POLICIAIS

A inversão de valores continua absurda nesse país, em que pelo menos duas gerações foram ensinadas, por idiotas ideológicos, que tomaram conta desse país por pelo menos três décadas, a não respeitarem as autoridades. Durante a pandemia, por exemplo, é impressionante o número de descerebrados irresponsáveis, que continuam fazendo Coronafest em várias cidades rondonienses (e isso ocorra em todo o país) e que ainda se acham cheios de razão. Quando denunciados e quando a polícia chega, parte dessa gente se sente ainda dona da situação (além de cheia de cachaça e, eventualmente, também de drogas) ao invés de reconhecer o verdadeiro crime que estão cometendo, com graves riscos para as vidas alheias, ainda se acham no direito de atacar agentes da lei. No final de semana, em Vilhena (e é apenas um exemplo), participantes de uma festa dessas, completamente ilegais, desacataram a PM, que chegou para acabar com a baderna. Uma policial foi ofendida e outro PM chamado de filho daquela... Pior de tudo é que esse tipo de irresponsável tem pequenas punições. Desse jeito, no outro final de semana, farão a festa de novo, certamente!

ÔNIBUS: NOVA HISTÓRIA INICIA EM 17 DE OUTUBRO

O dia será 17 de outubro. Isso, se não surgir mais nenhuma uma nova decisão judicial em contrário. Depois de três sentenças, finalmente a nova empresa de ônibus de Porto Velho poderá começar, nesta data bastante próxima, a servir aos milhares de usuários que, há anos, não sabem o que é um sistema de transporte que preste. Na manhã dessa segunda, o secretário de transportes, o coronel Kisner, falou sobre o tema numa coletiva à imprensa. Ela foi convocada na sexta e a anunciada presença do prefeito Hildon Chaves não se confirmou. A nova empresa – JTP – começa a atuar com um total de 143 ônibus, incluindo os reservas, dos quais cerca de duas dezenas e meia serão de coletivos zero quilômetro. Os ônibus que vão rodar, só podem ser aqueles fabricados depois de 2014, segundo o contrato firmado com a Prefeitura. O dia 17 de outubro será um sábado, o terceiro do mês. Tomara, que enfim, tenhamos um sistema de transporte coletivo decente!

INGRATIDÃO E OPORTUNISMO: MANDETTA ATACA

O ex ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, perdeu uma grande oportunidade de fechar a boca e não falar bobagem. Mais que isso, de aparecer perante a opinião pública, como um oportunista ingrato, que usava quatro horas diárias para dar entrevistas à imprensa e que ficou conhecido apenas graças ao seu ex chefe. Numa entrevista ao jornal El País, Mandetta acusou Bolsonaro de “jogar a favor da morte”, na questão da pandemia do coronavírus. Uniu-se aos extremistas da esquerda, que chamam o presidente de genocida, mesmo que Bolsonaro e seu governo tenha sido proibido pelo STF de conduzir o processo de decisões sobre o combate a doença, que ficou nas mãos dos governadores e prefeitos. E que a União tenha enchido os cofres de Estados e Municípios, para a guerra contra a Covid. Mandetta, que saiu quase do anonimato para ser um personagem importante no país, quando ministro da saúde, cometeu um ato lamentável, atacando o Presidente e se colocando como o grande salvador, que poderia ter resolvido a crise do coronavírus, enquanto Bolsonaro atuava para a morte dos brasileiros. As coisas nesse país estão cada vez piores. Mandetta acha que pode ser candidato à Presidência, em 2022, por causa das horas de fama que teve na mídia, durante a pandemia. Conseguirá?

PERGUNTINHA

Uma menina de dez anos foi estuprada pelo tio, ficou grávida e a Justiça autorizou o aborto, sob protesto de grupos religiosos. Você acha que a decisão judicial foi correta ou não?


Fonte:Sérgio Pires





Últimas notícias

Carregando...

Notícias relacionadas

Carregando...
Carregando...