Publicidade
Publicidade

23/04/2022 08:07h - Brasil - Coluna Social

Tributo a Paulo Gustavo, 'levitação' e shows de rainhas marcam 1ª noite no Rio

Imperatriz, Mangueira, Salgueiro, São Clemente, Viradouro e Beija-Flor levantaram o público na Sapucaí - Foto: Thiago Ribeiro/Agi / Estadão

Após dois anos sem Carnaval, as escolas de samba do Grupo Especial voltaram à Sapucaí, na zona central do Rio de Janeiro, na noite de sexta-feira, 22. Ao todo, seis agremiações levaram música e brilho para a passarela do samba carioca. Imperatriz, Mangueira, Salgueiro, São Clemente, Viradouro e Beija-Flor tiveram uma coisa em comum: a felicidade pelo retorno do Carnaval. Cada entrevista, fosse famoso ou de anônimo, deixava claro a alegria de poder retornar para avenida depois de muito medo e apreensão por causa da covid-19. A São Clemente, que homenageou o humorista Paulo Gustavo, teve um desfile repleto de emoção e levantou as arquibancadas. Porém, a escola sofreu com problemas técnicos. O abre-alas chegou a bater antes de entrar na Sapucaí, e bateria teve que passar correndo pelo portão com medo de ultrapassar o tempo limite. Mangueira, Viradouro e Beija-Flor encerraram a noite como os grandes destaques do primeiro dia. Porém, a Imperatriz também fez bonito com Iza como rainha de bateria, assim como o Salgueiro que teve o brilho de Viviane Araújo, que exibiu o barrigão de cinco meses de gravidez. A Beija-Flor fechou a primeira noite dos desfiles do Grupo Especial do Rio de Janeiro. Com o enredo "Empretecer o pensamento é ouvir a voz da Beija-Flor", a escola de Nilópolis exalta os negros que não tiveram o reconhecimento merecido. O tema foi um pedido da comunidade, que queria voltar a levar as raízes para a Sapucaí. Natália sambou muito dentro da casa do 'Big Brother Brasil 22'. Todo o gingado fez com que a ex-sister recebesse um convite para desfilar pela Beija-Flor. Ela topou na hora e apareceu deslumbrante na avenida. O desfile da escola de Nilópolis chamou a atenção pela beleza nas fantasias e pela empolgação dos componentes. Às vezes, parecia que eles cantavam mais alto que o som da própria bateria. A atual campeã Viradouro apresentou o Carnaval de 1919 por meio de uma carta de amor escrita por um pierrô a uma colombina na Quarta-Feira de Cinzas daquele ano. Naquela ano, a folia aconteceu após a pandemia da gripe espanhola. A escola fez um paralelo com o ocorrido deste ano por causa da covod-19. Os diretores de harmonia da agremiação vieram fantasiados de médicos em uma maneira de homenagear os profissionais da saúde. A atriz Erika Januza fez sua estreia como rainha de bateria da Viradouro e não consegiu segurar a emoção: "Lembrando da Erika, lá em Contagem (MG), pequena, assistindo pela TV e sonhando com tudo isso, e que nunca pensou que seria rainha do coração da escola. Acredite nos seus sonhos e lute por eles". A comissão de frente da escola de Niterói provocou até levitação para exibir a chave da cidade dada ao Rei Momo. O truque foi revelado após o desfile. O efeito foi possível pela utilização de drones que ajudavam a levantar o objeto. Inspiradora do monólogo "Minha mãe é uma peça", a São Clemente homenageou o ator Paulo Gustavo, que morreu vítima da covid-19 em maio do ano passado. Déa Lúcia Vieira Amaral, mãe do humorista, e Juliana Amaral, irmã, não contiveram a emoção ao pisar na Sapucaí. Thales Bretas, viúvo do ator, e muitos amigos famosos marcaram presença. "Paulo Gustavo para sempre" é o que dizia o refrão do samba-enredo da escola, que contou com 3.200 integrantes, 25 alas, cinco carros e dois tripés. A São Clemente levou para avenida uma escultura de 4 metros de altura de Paulo Gustavo no carro abre-alas, que enfentou problemas para conseguir entrar na Sapucaí. No final do desfile, a escola precisou correr. A bateria apertou o passo para para atravessar o portão antes do tempo estourar e conseguiu o objetivo. O desfile foi finalizado em 1h09.
Publicidade

Fonte: Terra

Publicidade

Notícias relacionadas

Publicidade