Rondônia, 01 de dezembro de 2021

NOTÍCIAS

21/10/2021 09:39

Brasil

Brasileiro tem entrevista para visto dos EUA marcada para março de 2023

Consulados continuam fechados, demanda vira bola de neve e tempo de espera chega a 1 ano e 5 meses.

Brasileiro tem entrevista para visto dos EUA marcada para março de 2023

Obter visto para ingressar nos Estados Unidos exige atualmente paciência dos turistas brasileiros. Nesta semana, o agendamento da entrevista nos consulados no Brasil, etapa obrigatória e decisiva desse processo, passou a exibir sugestões de datas a partir de março de 2023.

No caso do consulado de São Paulo, as últimas vagas abertas –para dezembro de 2022– se esgotaram recentemente. Não foram disponibilizados novos calendários até 4ª feira (20.out.2021).

Antes de a pandemia de covid-19 provocar o fechamento da fronteira norte-americana aos brasileiros e a proibição de emissão de vistos, em maio de 2020, o tempo de espera chegava a 13 dias. Desde então, brasileiros que não haviam ainda sido entrevistados passaram por 2 ou mais reagendamentos. Boa parte deles, para 2022.

Não existe neste momento nenhuma gestão do Itamaraty para tentar abreviar o tempo de espera para turistas brasileiros obterem vistos de entrada nos EUA. O entendimento do governo de Jair Bolsonaro é que, mesmo que se dispusesse a atender, o Departamento de Estado (equivalente ao Ministério das Relações Exteriores no Brasil) não tem força para atuar contra o poder dos serviços consulares norte-americanos.

A concessão de vistos dos EUA é operada por uma grande corporação de funcionários sindicalizados que pressionou pelo fechamento dos serviços durante a pandemia de covid-19. Tinha receio de fazer atendimentos em ambientes fechados, com aglomeração e falando em guichês colocados em locais pouco ventilados.

O desmonte dessas concessões será tarefa que o Departamento de Estado dificilmente conseguirá cumprir em curto prazo. Por isso, mesmo reabertas as fronteiras, a retomada dos trabalhos dos consulados não deve ocorrer de imediato –nem com aparato eficaz para atender a demanda reprimida.

No início do governo Bolsonaro, houve uma grande aproximação entre Brasil e EUA. O Palácio do Planalto liberou norte-americanos de tirar visto para entrar no Brasil, sem exigir contrapartida do governo do então presidente Donald Trump em favor dos brasileiros.

Em maio de 2020, o Brasil poderia ter se valido do princípio da reciprocidade para forçar novamente os norte-americanos a solicitar visto para entrar no país. O pretexto estava dado. O Itamaraty não fez isso. Preferiu manter o atendimento público nos seus consulados nos EUA, que atendem também aos cidadãos locais na área de negócios, entre outros.

BOLA DE NEVE

O Poder360 pediu à embaixada dos EUA em Brasília informação sobre quantos brasileiros têm entrevistas agendadas. Não houve resposta até a publicação desta reportagem. Mas esse total certamente cresce a cada dia, como uma bola de neve.

“Há uma imensa demanda reprimida. Só teremos perspectivas mais claras quando houver a reabertura da fronteira dos Estados Unidos e a prioridade de atendimento definida pelos consulados”, afirmou Luciana Comonian, gerente da Visa Mundo, empresa que presta serviço de encaminhamento dos pedidos de visto em todo o país. “Temos milhares de clientes à espera da entrevista.”

Gabriela Nunes, da Schultz, de Campinas (SP), explica que a missão atual da empresa é monitorar permanentemente os sites dos consulados para saber se vagas foram reabertas –desistências, por exemplo. Somente dessa forma é possível conseguir adiantar uma entrevista marcada para o final de 2022 ou o começo de 2023.

“Apenas estudantes e pessoas em situação de emergência conseguem os vistos no consulado de São Paulo. Agora, não há nem data disponível para agendar entrevista para turistas”, disse Nunes.

Em Maceió (AL), uma das principais empresas deixou de receber novos clientes em busca de visto em agosto de 2020. Trata agora de antecipar ao máximo possível as entrevistas dos 70 que haviam contratado os serviços antes. .

O dono da firma, que preferiu não se identificar, diz que a maioria dos 70 casos é de renovação, ou seja, de pessoas que já passaram outras vezes pelo procedimento para obtenção do visto. Ele disse que seus clientes estão “sem chão” e reclama da falta de informação oficial. Com o negócio praticamente parado, voltou a trabalhar como advogado em causas de precatórios federais que retornaram aos cofres do Tesouro.


Fonte:Poder 360





Últimas notícias

Carregando...

Notícias relacionadas

Carregando...
Carregando...