Publicidade
Publicidade

26/09/2021 18:21h - Estados Unidos - Mundo

Empresas nos Estados Unidos não conseguem repor estoques no pós-pandemia

Nike não terá tênis suficientes para vendas de fim de ano; preços de árvores de Natal já tiveram aumento de 25%.

Empresas nos Estados Unidos não conseguem repor estoques no pós-pandemia
Publicidade
Publicidade
Empresas nos Estados Unidos ainda não conseguiram repor os estoques de mercadorias no período pós-pandemia. Problemas na distribuição e carregamento dos produtos atrapalham o funcionamento dos grandes portos no país. Entre os efeitos, está o aumento de preços: árvores de Natal, por exemplo, já tiveram um aumento de 25%. Segundo reportagem do The Wall Street Journal, complexos portuários permanecem fechados durante horas semanalmente e não abrem aos domingos. Enquanto isso, portos na Ásia e na Europa operam 24 horas por dias. A estimativa é que 2 dos principais portos americanos estejam funcionando com 60% a 70% da capacidade total. Outro motivo identificado para a dificuldade de reposição das mercadorias é a dificuldade da indústria americana em lidar com a queda das importações no país durante o período pós-pandemia, Segundo a reportagem, 2 portos da Califórnia responsáveis pelo recebimento de ¼ de todas as importações dos EUA estão operando com 70% da capacidade. O acúmulo de contêineres nos terminais atrasa a reposição de mercadorias e já ameaça as vendas de fim de ano para grandes empresas. A Nike, por exemplo, está com estoque de tênis insuficiente. Por outro lado, diferentes membros do setor produtivo acusam uns aos outros de causarem o problema. No caso dos caminhoneiros responsáveis pelo transporte de carga para os portos, por exemplo, fontes afirmam que a categoria não aparece nos horários marcados para buscar as mercadorias. O resultado é a falta de liberação de espaço para novos produtos. Os caminhoneiros, por outro lado, culpam o congestionamento nos terminais portuários pela demora. Afirmam que o atraso em um compromisso tem como consequência o atraso na busca e entrega de outras mercadorias nos horários seguintes. Outro problema identificado pela reportagem foi a falta de mão-de-obra para carregar os trens de carga. Essa modalidade de transporte leva aproximadamente 30% de todos os containers de grandes centros de distribuição do país.

Fonte: Poder360

Publicidade

Notícias relacionadas

Publicidade